Translate

quinta-feira, 28 de março de 2013

The legalized robbery


The legalized robbery

We live in a time where the law protects the legalized theft, absurd rates, fees and taxes are real crimes that no human being can endure. The law makes chips dirty politicians who blatantly undermine the country go unpunished, but put in jail protesters and poor that has no way to get a good lawyer.
We are a country of stadiums, football, culture of abundance, where schools fall apart by neglect, where public health and transport are trivialized and the population pays the duck, or Brazil would be the cost?
Cost borne with great difficulty, cost paid with sweat and blood of the worker, who earns a pittance, a salary that barely can eat, pay for good services. Where politicians with their small fortunes do not feel, because the reality is they live in the first world, while the service they provide is third.
Another victim of a stray bullet, another death row in hospitals, plus a flood that takes many lives, the excuses are the same, rehearsed speeches year after year, just changing faces, never appear as solutions, solutions lost in corruption, slow machine state that languishes with only good for their solutions on top and who is never true for those who need help.

He opened the window in the morning
Another stray bullet
His company makes.
Between a newspaper and other negligence
Queue hospital, marginal practicing target shooting!
Politico plateau in pretending not to know
That the people are hungry, thirsty,
Want to learn to read!
But who cares?
Who wants to change?
Fighting for what?
Tires, cop one, born a hundred!
And the bill, even new or old,
Okay on to win!

"De shooter shot, row to row, Brazilian vai surviving until there is no more way of life"!

Pablo Danielli


O roubo legalizado

Vivemos em um tempo aonde a lei ampara o roubo legalizado, tarifas absurdas, taxas que são verdadeiros crimes e impostos que nenhum ser humano é capaz de aguentar. A lei faz com que políticos fichas sujas, que prejudicam o país descaradamente fiquem impunes, mas coloca na cadeia manifestantes e pobres que não tem como obter um bom advogado.
Somos um país de estádios,do futebol, da cultura do supérfluo, aonde escolas se desmancham pelo descaso, aonde a saúde publica e o transporte são banalizados e a população paga o pato, ou seria o custo Brasil?
Custo arcado a duras penas, custo pago com suor e sangue do trabalhador, que ganha uma miséria, um salario que mal se pode comer, pagar por bons serviços. Aonde políticos com suas pequenas fortunas não sentem, pois a realidade em que vivem é de primeiro mundo, enquanto o serviço que prestam é de terceiro.
Mais uma vitima de bala perdida, mais uma morte nas filas de hospitais, mais uma enchente que leva muitas vidas, as desculpas são as mesmas, os discursos ensaiados, ano após ano, mudando apenas as caras, pois as soluções nunca aparecem, as soluções se perdem na corrupção, na maquina lenta do estado que definha, com suas soluções boas apenas para quem esta no topo e nunca para quem necessita do verdadeiro auxilio.

Abriu a janela pela manha
Mais uma bala perdida, 
Lhe faz companhia.
Entre um jornal e outro descaso
Fila de hospital, marginal praticando tiro ao alvo!
Politico no planalto fingindo não saber
Que o povo tem fome, tem sede, 
Quer aprender a ler!
Mas quem quer saber?
Quem deseja mudar?
Lutar pra que?
Cansa, tira um, nasce cem! 
E a conta, mesmo nova ou antiga,
Tá por vencer!

“De tiro em tiro, fila em fila, brasileiro vai sobrevivendo até que não exista mais forma de vida”!

Pablo Danielli

terça-feira, 26 de março de 2013



Golden Fool




I wish to know

That fool's gold,

It was not made ​​for us.




Knowing that tomorrow

There will back

And our life will be like an old film

On the overhead projector,

In a corner of a movie any.




Under boos and cheers from the crowd,

From an empty stage.




Done loose phrases of an old book,

Yellow, stored,

In the dust of the TV stand.




Chosen for you

To make an impact,

To change the situation.




Done illusion

Circus show,

Saved to us.




As wax dolls

Hidden world,

Trying to live.




Pablo Danielli

Poetry, Поэзия, "詩は移動している, La poesía,



"Poetry is traveling

Vai as life and back

As the feeling. "


Pablo Danielli


"Poetry reist

Vai wie das Leben und zurück

Wie das Gefühl. "


Pablo Danielli



"Поэзия едет

Вай, как жизнь и обратно

Как чувство ".


Pablo Danielli



"詩は移動している

人生とバックとしてヴァイ

感覚として。"


Pablo Danielli



"La poesía es viajar
Vai como la vida y la espalda
A medida que el sentimiento ".


Pablo Danielli



"A poesia é itinerante
Vai conforme a vida e volta,
Conforme o sentimento."


Pablo Danielli



segunda-feira, 25 de março de 2013

Revolt, antigos mares



look

revolt,

Back!

Its back

The void

revolutionizing

Nothing.

Lost

The usefulness

his term

Expiration?

Still worth it!

return

Look around you,

And if revolt!

As in ancient

Mares!

Today waterways.




Pablo Danielli




Olha
Revolta,
Volta!
A sua volta
O vazio
Revolucionando
O nada.
Perdeu-se
A utilidade,
Seu prazo
De validade?
Ainda Vale!
Volta
Olha a sua volta,
E se revolta!
Como em antigos
Mares!
Hoje, navegáveis.

Pablo Danielli

sexta-feira, 15 de março de 2013

Indiferença, Indifference



Before the gesture
Indifference!

Before the act
indifference!

Given the misery
Indifference!

Facing the pain
Indifference!

In the face of prejudice
Indifference!

In the face of corruption
Indifference!

Faced with claims
Indifferences!

Given the doubts
Indifferences!

When life is imminent
Indifference!

how could we
Being all equal to final
If the result is distortion
Of words, gestures,
culture itself?

How to be considered rational
If the first is the gesture of abandonment,
Good action, just as intention not saved!
Use examples of others does not guarantee
His place in heaven first.

We all know what must be done
All remain silent in the face of need,
For while the drop does not reach us
There is no reason to fix what is broken.

Of all the toys thrown out
Life certainly is more precious,
Of all the words abandoned to the wind
Those that do are missing the real.

All looks lost
Even in the darkness, in solitude,
The indifference of those who are not have salvation.

Another demise
Nobody saw!

More drugged a child
Never existed!

Another misuse of funds
Illusion in Brazil!

Another good book
If lost in the void!

More a human
Confused with rare commodity
In a country that never existed!

indifference
Strong word, which defines
A weak and hostile!

Pablo Danielli



Diante do gesto
Indiferença!

Diante do ato
indiferença!

Diante da miséria
Indiferença!

Diante da dor
Indiferença!

Diante do preconceito
Indiferença!

Diante da corrupção
Indiferença!

Diante de afirmações
Indiferenças!

Diante das duvidas
Indiferenças!

Diante da vida eminente
Indiferença!

Como poderíamos
Ser todos iguais a final,
Se o resultado é a distorção
Das palavras, dos gestos,
da própria cultura?

Como ser considerado racional
Se o primeiro gesto é o de abandono,
Boa ação, apenas como intenção não salva!
Usar exemplos de terceiros não garante
Seu lugar no céu primeiro.

Todos sabemos o que deve ser feito
Todos ficamos calados diante da necessidade,
Pois enquanto a gota não nos atinge
Não há motivos para consertar o que se quebrou.

De todos os brinquedos jogados fora
A vida certamente é   mais precioso,
De todas as palavras abandonadas ao vento
As que fazem falta são as verdadeiras.

De todos os olhares perdidos
Mesmos os na escuridão, na solidão,
Os de indiferença são os que não tem salvação.

Mais uma morte
Ninguém viu!

Mais uma criança drogada
Nunca existiu!

Mais um desvio de verba
Ilusão, no Brasil!

Mais um bom livro
Se perdeu no vazio!

Mais um ser humano
Confundido com artigo raro
Numa pátria que nunca existiu!

Indiferença
Palavra forte, que define,
Um ser fraco e hostil!

Pablo Danielli

quinta-feira, 14 de março de 2013

Sobras, scraps




Scraps


And leftovers are just that
Time, hope, disbelief
Food, of dreams, of curse.

Of humanity, dignity, kindness,
Offered to pigs, rats so despised.

Skins decaying, looks crooked
Buildings crumbling, corrupt society.

Evil sayings, which bring the old new!
An archaic idolatry pruning what is haunting.

And every shadow feels the pain of a soul colored
Even if it is wrapped in black bags
To protect themselves from the bitter fingers of fate.

They are remnants of stories, blending classic popular
Ignorance, indifference, distraction, corruption,
Ingredients of a weak socialization.

Pablo Danielli



Sobras


São sobras e apenas isto
De tempo, esperança, descrença
De comida, de sonhos, de maldição.

De humanidade, dignidade, bondade,
Oferecida aos porcos, ratos tão desprezados.

Peles em decomposição, olhares tortos
Prédios em ruínas, sociedade corrompida.

Mal dizeres, que trazem as velhas novas!
Uma idolatria arcaica que poda o que é assombro.

E toda sombra sente a dor de uma alma colorida
Mesmo que seja envolto de sacos pretos
Pra se proteger dos azedos dedos do destino.

São restos de histórias, mistura clássica popular
Ignorância, indiferença, distração, corrupção,
Ingredientes de uma fraca socialização.

Pablo Danielli

sábado, 9 de março de 2013

Poesia, poetry




poetry
It's like a scream
Silent echoes that,
Thick walls
A book.
Begs for love!
Cries out for justice!
There are at least expected
A good reader,
To make free.

Pablo Danielli





A poesia
É como um grito
Silencioso que ecoa,
Pelas paredes espessas
De um livro.
Implora por amor!
Clama por justiça!
Há espera ao menos
De um bom leitor,
Para se fazer livre.

Pablo Danielli

quinta-feira, 7 de março de 2013

Humanidade, humanity


Some changes can not see and rarely can see them, are as mild breezes that refresh us unknowingly.
It's not just the fact of change that frightens us, but it is the not knowing what will happen later she find us.
Doubt so often when we face a mirror in front ha in challenging times and so impersonal, what comes next?
Fear, anger, fury accommodation and who knows! Admit yourself lost amidst so many choices is the greatest act of bravery which might have in a world decadentemente mechanic.
Find a reason to escape the logic in each step is more than a little challenge.
It is slowly peeling with a razor blind ego is blinding our desires and deprive our superficiality, slowly punish the subversive side of our actions. Requires much more than a silly sample force, requires something that is often missing and lost in the most intimate of us, part of our humanity.

Pablo Danielli





Algumas mudanças não conseguimos ver e poucas vezes conseguimos percebe-las, são como leve brisas, que nos refrescam sem saber.
Não é apenas o fato da mudança que nos assusta, mas, é o não saber o que vai acontecer posteriormente que ela nos encontrar.
A duvida tão frequente quando nos deparamos em frente ha um espelho, nos questionando e as vezes de forma tão impessoal, o que virá depois? 
Medo, raiva, acomodação e quem sabe fúria! Admitir-se perdido em meio a tantas escolhas é o maior gesto de bravura que se pode ter em um mundo decadentemente mecânico.
Encontrar uma razão que fuja a logica, em cada passo dado é mais que um pequeno desafio.
É descamar lentamente com uma navalha cega nosso ego, é cegar nossos desejos e privar nossa superficialidade, castigar lentamente o lado subversivo de nossos atos. Requer muito mais que uma amostra tola de força, requer algo que muitas vezes está ausente e perdido no mais intimo de nós, nossa parcela de humanidade.

Pablo Danielli

quarta-feira, 6 de março de 2013

incognita



incognita doubt

I do not know beyond the sins

And neither seems to know.




But it is strangely intimate

Like time,

Inexplicably wasted.




Follow me and dissipates in doubt

Hidden amidst nights

It is the headquarters for light

What makes it so intrusive.




And dance with me!

Like a mad unknown

Testing my limits

Pain, pleasure!




Each empty made ​​for fear

The death so cold that surrounds me

It is love, life


Pablo Danielli





Juro, Interest



Esconjuro

Juros, escondidos

Urros, de alivio!

Ou pessimismo?




Pablo Danielli








adjure

Interest, hidden

Roars of relief!

Or pessimism?




Pablo Danielli


terça-feira, 5 de março de 2013

Passar adiante, Hand on

Hand on


Over time, some ways of behaving and speaking just for being part of our culture.
They are popular jargon, phrases or even novels that make a propaganda success. People mostly are highly influential, because they lack the discernment necessary to analyze what is quality and what actually gets pushed "Guela" down, such is the culture of moving on.


(The disposable in Brazil can not always be considered recyclable).


Unfortunately our leaders also joined this picturesque way to "solve" problems created by themselves.
Whatever it is, health, education, security, are more and more statements that a good excuse, weighs more than a good solution.
It is easier to privatize roads than pay the tax bill, much quieter leave private schools take over the market than investing in public schools, it is much more warn the villain who is coming, what faces him and holds him, but we must not forget that our prisons are also being privatized, plus a small sample of the money collected is being brutally abused.
Politico the country is practically a folk figure, the "honest"! rare copy?
We make jokes of them in bars, on televisions and radios, and they laugh in our faces to spread jargon as "stealing, but does."
Our political culture is broken, the image is cracked, there is no faith enough to change. And as usual when looking for culprits, we are faced once again with our passes on, pass the blame to the media does not show the truth to the police that does not hold (or to the pope than esconjura)!?
We spent our fault as citizens, as people who could change the choices for the terms "clean hands". If it is not in my garden because watering the neighbor's flower? We have an individualistic culture, some would say it is the fault of capitalism, others would say it is no more left today as the most radical and socialist blame the mida that enslaves.
These lands as distant solutions, not only passes on material goods, kindness, willingness to change.
Better to laugh at phrases, rhymes and primitive offenses against third parties who become indigestible when we reach.
Much more convenient not to care and slowly, slowly seeing everything be consumed by poor public administration.
We are used to sell what we do best, one time was the timber, gold and other jewelry, today it seems that the world has accepted it with a bit of disdain our passivity and ignorance.
But maybe this and only this, we should leave them at home and not try to pass on.






The dreams are on
Before us problems,
Before, only complaints.
We motives
Perhaps the solutions,
Only we lack the will!
Desires beyond accommodation.
Only if changes taking steps
In addition to our backyard
Are the street and the world!
Made of faith and odors morning.




Pablo Danielli.



Passar adiante




Com o passar do tempo, algumas formas de se portar e falar acabam por fazer parte da nossa cultura.

São jargões populares, frases de novelas ou até uma propaganda que faça sucesso. As pessoas em sua grande maioria são altamente influenciáveis, pois não possuem o discernimento necessário para analisar o que é de fato qualidade e o que é empurrado "guela" a baixo, é a tal da cultura de passar adiante.




(O descartável no Brasil nem sempre pode ser considerado reciclável).




Infelizmente nossos governantes também aderiram a essa pitoresca forma de "solucionar" problemas por eles mesmos criados.

Seja ele qual for, saúde, educação, segurança,são mais e mais demonstrações de que uma boa desculpa, tem peso maior que uma boa solução.

É mais fácil privatizar estradas do que prestar conta dos impostos, muito mais tranquilo deixar escolas particulares tomarem conta do mercado do que investir em escolas publicas, convém muito mais avisar o bandido que se esta chegando, do que enfrenta-lo e prende-lo, mas não podemos esquecer que nossas prisões também estão sendo privatizadas, mais uma pequena amostra de que o dinheiro recolhido de forma brutal esta sendo mal utilizado.

Politico no país é praticamente uma figura folclórica, o "honesto"! exemplar raro??

Fazemos piadas deles nos bares, nas televisões e rádios, e eles riem da nossa cara ao difundirem jargões como "rouba, mas faz!".

Nossa cultura politica esta quebrada, a imagem está trincada, não ha fé o suficiente para mudar. E como é de costume ao procurar culpados, nos deparamos mais uma vez com o nosso passa adiante, passamos a culpa para a mídia que não mostra a verdade, para a policia que não prende (ou para o papa que não esconjura)!??

Passamos nossa culpa como cidadão, como pessoas que poderiam mudar as escolhas, para termos as "mão limpas". Se não é no meu jardim por que regar a flor do vizinho? Temos uma cultura individualista, diriam uns que a culpa é do capitalismo, outros diriam que é da esquerda hoje não mais tão socialista e os mais radicais culpariam a mida que escraviza.

Nestas terras tão distantes de soluções, só não se passa adiante os bens materiais, a bondade, a vontade de mudar.

Melhor é rir de frases prontas, rimas primitivas e ofensas a terceiros, que se tornam indigestas quando nos atingem.

Muito mais comodo não se importar e aos poucos, lentamente ver tudo ser consumido pela má administração publica.

Estamos acostumados a vender o que temos de melhor, certa época foi a madeira, em outras joias e ouro, hoje parece que o mundo já aceita mesmo com um pouco de desdem nossa passividade e ignorância.

Mas talvez este e apenas este, devêssemos deixar em casa e não tentar passar adiante.










A diante são os sonhos

Diante de nós os problemas,

Antes,apenas as reclamações.

Temos os motivos

Talvez as soluções,

Só nós falta a vontade!

Desejos além da acomodação.

Só se muda dando passos

Além do nosso quintal,

Estão a rua e o mundo!

Feito de odores e fé matinal.







Pablo Danielli.

sábado, 2 de março de 2013

Meretriz Caida, whore fallen

Figure reckless
Lame walk,
Amid the solitude!

Look beast with horns
Angry, his face smeared,
Á slag, disillusioned, Peacock!

Plays with his hopping
The sound of ruin,
Melody corrupted society.

Blinded by Mammon
By desires beyond the bread!

Sucks all hope
Coming from torn veins
Life, alongside that of indifference,
Question! insistently?

Who amid greed
Merce not die?
If you do not value life!

Son wound
That never heals,
whore fallen
Love, disappointment.

Pablo Danielli

A figura afoita
Caminha manca,
Em meio a solidão!

Olha besta com chifres
Raivosa, com a cara manchada,
Á escoria, desiludida, pavão!

Toca com seu saltitar
O som da ruína,
Melodia da sociedade corrompida.

Cega pelo vil metal
Por desejos além do pão!

Suga toda a esperança
Vinda das veias rasgadas
Da vida, que ao lado da indiferença,
Pergunta! insistentemente?

Quem em meio a cobiça
Não merce morrer?
Se não se valoriza a vida!

Filho da ferida
Que nunca cicatriza,
Meretriz caída
Amor ,desilusão.

Pablo Danielli

O que sabem, What do you do?

will
What these people know,
What do you do?

will
they know
What do they feel?

Imagine what is real?
They think they live?
Or just spend their days
Simply pretend to know.

filling gaps
With false desires
Trying not be
Needy.

Pablo Danielli

Será
Que esse povo sabe,
O que faz?

Será
Que sabem
O que sentem?

Imaginam o que é real?
Eles pensam que vivem?
Ou apenas passam os dias
Simplesmente fingem saber.

Preenchendo lacunas
Com falsos desejos
Tentando não serem
Carentes.

Pablo Danielli

sexta-feira, 1 de março de 2013

Se fazendo a vida, Go is doing Life.





In some moments

If you are with your hands full,

In many other

They seem empty.

Yet

With so many uncertainties,

Go is doing

Life.


Pablo Danielli












Em alguns momentos

Se está com as mãos cheias,

Em outros tantos

Elas parecem vazias.

E mesmo assim

Com tantas incertezas,

Vai se fazendo

A vida.




Pablo Danielli

Pesquisar este blog