Translate

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Muito além das entrelinhas



Existe algo dentro de você, que não percebe ou consegue ver em determinados momentos, mas que ligeiramente te conecta com o mundo, com as pessoas e objetos. Mas você sente, sabe que está lá, adormecido e pequenos olhares e gestos o fazem despertar.

Quando nos deparamos com algo que nos chama atenção, toca e nos prende de forma única, tão sutil, acabamos por descobrir pequenos tesouros e que provavelmente nenhuma outra pessoa no mundo entenderá ou dará o mesmo valor.

Pode ser em forma de uma frase, uma fotografia em preto e branco, uma caneca velha ou até mesmo um empoeirado LP, mas tão valioso quanto ouro ou diamante. O apego nos faz ter outra dimensão de valores, o que era errado se torna certo, o que é inútil acaba por ganhar nova vida.

Nossos olhos lentamente percorrem por entre pequenos objetos, apreciando, lendo e relendo suas cores, seus detalhes, passamos de simples admiradores para entendermos muito além do que se esta nas entre linhas. Começamos a compreender o sentimento que exerce sobre nós determinado nossos desejos, como se pudéssemos sentir sua energia. Quando percebemos, um acaba pertencendo ao outro, a identidade acaba por ser completa, mesmo que isso signifique ser estrando diante de outros olhos ou outras manias.

E esse visitante acaba por nos dar algo mais, diferenciando-nos uns dos outros, nos envolvendo em universo paralelo a realidade tão crua que vivemos. Começamos a sentir aromas diferentes, começamos a perceber cores que não sentíamos e há viver mundos que não imaginávamos.




Pablo Danielli

terça-feira, 28 de maio de 2013

Vida



Foi o café que não tomou

O sonho que não sonhou,

O beijo que não deu!

O sorriso que não apareceu

Foi a sorte que não sorriu,

A lagrima que não caiu!

O sentimento que nunca existiu

A vida que não viveu!


Pablo Danielli

sábado, 25 de maio de 2013

Ame



Ame em silencio

Para não aguçar a inveja

De mal humorados,

Mas gritando por dentro!




Arda em desejo

Além de poucos pensamentos

Extrapole tal sentimento.




Faça o olhar brilhar!

O sorriso não caber no rosto!

O coração pulsar mais forte!

Escolha o amor, do que a sorte!




Escreva nas paredes de seu corpo

A intensidade do que você sente,

Por que quando todos estiverem foscos

Você estará reluzente!




Pablo Danielli

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Memorias de curto prazo


Ocupam sua calçada

Sua rua, sua vida,

Escondidos pela mídia

Ignorados pelos que podem ver.



Não estão nos jornais

Em nenhum programa na tv,

Não tem dinheiro

Agua ou pão pra comer.



Mas sentem fome de tudo

Atenção, dignidade, afeto e carinho,

Excluídos por entre sombras

Vivem de sobras de um rebanho mesquinho.



Falsas ideologias postas por políticos

Abraçados por demagogias (demagogos) dilaceradas (dilacerados),

Memórias desumanas de curto prazo



Que se preocupam apenas com o futuro do umbigo.




Pablo Danielli

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Trapos

Agressão
Distorção, subversão!
Realidade
Descaso, trapos!
Eis o futuro da nação!

Pablo Danielli

quarta-feira, 22 de maio de 2013

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Botão


Medíocre instante
Do botão, explosão!
Propagação da incerteza
Duvida e escuridão.
Dedos que condenam
Sem saber, sem ter um porque,
Justo sofrimento
Por escolha da sorte?
Ou da falta de saber!
Em um piscar de olhos
Uma caricatura bem apresentada,
Do mal, em forma de fada.
Auto, convencimento
De que o melhor para você
Talvez seja também para a nação!
Leve instante de esperança
Que se acabe a apreensão,
Mesmo que seja nas mãos
Manchadas de um duvidoso ser.
O voto é a guilhotina do povo
Que lentamente mata milhares
Pelas desculpas esfarrapadas
De homens que se dizem exemplares.
Ao amanhecer restam apenas vestígios
De mais uma fantasia, que esfarelou vidas,
Em troca de um barato assistencialismo.
Que começa no alento de uma urna
E termina com a esperança em um caixão.

Pablo Danielli

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Alguns passos



Alguns passos



Se não fossem os passos lentos, que mais pareciam marcar o espaço, o tempo, o olhar hora solto e por momentos procurando atingir algum ponto. O ar levemente frio, com certas folhas jogadas ao chão, o desejo ardente de esquecer, não existir, apenas mais uma tarde em meio a tantas outras espalhadas pelos calendários, com datas pré-definidas de rotinas sem fim.

Apenas a cor amarela parece lhe chamar atenção, o vermelho cansado de velhos amores, de tantos ardores derramados, não faz mais a diferença que precisava, que tanto buscava. De todos os desejos passados em vida, os arrependimentos surgiram do que foi posto como forma negativa, mesmo sendo tão únicos, tão inteiros e tão seus.

As calçadas lentamente engoliam seus pés, os prédios tão aclamados e tão velhos em alguns momentos, pareciam sumir com seus sonhos, a cidade mais parecia um organismo vivo, pulsante, cujo único objetivo era deixar seu dia mais cinza, mais agressivo, mais dolorido.

Placas que procuram dar ordens ao invés de indicar, duvidas e medos perambulantes disfarçados com roupas cuidadosamente escolhidas para causar alguma falsa impressão.

Um esbarrão, uma palavra solta, um pedido de socorro em forma de sorriso. O vento segue, levando com sigo o rumo do acaso, o impulso do inesperado, acompanhado pelo vai e vem dos carros, pela garoa que começa a cair, pela pressa em não molhar com novo frescor as velhas hipocrisias.

O barulho já não faz mais diferença, em alguns minutos o silencio absoluto toma conta, tornando tudo tão frágil, tão vulnerável. Como quem pouco caso faz, continua indiferente a tanta falta de paixão ao seu redor, como quem com um simples toque se adapta facilmente a forma petrificada de vida na qual esta ligeiramente acostumado a viver.

Abre e fecham lentamente seus olhos, como quem de forma simples fala para si mesmo, recomeçar é apenas uma questão de teimosia e sentir uma opção de pessoas invisíveis, que persistem em colorir.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Outros

Outras ruas
Outros ecos,
Outras vozes
Outras mortes.

Entre tantos passos vazios
Sombras, formas deformadas,
Vidas, entre abismos!
Escolhas que se dizem,
Ser em algum momento sorte.

Desejou um sol
Cobiçou uma lua,
Dormiu com pedidos
Amanheceu de mãos vazias.

Entre uma folha
E outra história,
Contos sem fim
Sem final feliz.

Sede de amor
Fome de palavras!

Quer que um estranho lhe diga
Quer que um qualquer lhe toque,
Quer que a morte não lhe encontre
Mesmo que seja entre um copo e outro
Da mais cobiçada face.

Escancara as cicatrizes
Esconde os defeitos
Marcas de uma guerra,
Com falsos vencedores.

Não ha propaganda que sacie
Tão pouco sombra que refresque,
Valor tão barato de um sentimento
Que por hora é apenas lamento.

Azar daqueles que não brindam
Sorte daqueles que não vem,
Entre uma volta e outra da vida
O mundo parece te olhar com um certo desdém.

Pablo Danielli

Pesquisar este blog