Translate

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Certeza

A vida...
É uma duvida,
Que vamos
Preenchendo aos poucos,
Até virar uma certeza!

Pablo Danielli

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Lamina



Em uma negligente

Despreocupação com a vida,

Um piscar de olhos...

Em forma de lamina,

Rasga o silencio.

Não existe qualquer motivo

Para amortecer o impacto,

Com palavras.

Tão pouco,

Cobrir com mentiras ou verdades

O corpo, despido de medo e pudor.

É só teu olhar...

É só tua boca...

Tua certeza e duvida.

Sem noção alguma de tempo

Que fora do corpo,

Tem uma sensação estranha.

Que mesmo com os pés presos,

Tem dó...

De quem não se atreve.

E não sabe 

Se no amor se perde,

Ou na vida se engana.





Pablo Danielli

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Amores e corações partidos.

          

"O amor
A vida,
Um sonho...
Um coração inteiro
Divido por duvidas,
Que pairam no ar".




De todos os amores vividos de forma visceral, os que foram folhados em paginas de livros e apenas estes, não deixaram seu coração amargo. Não deixaram seus lábios secos, ficando apenas uma sensação de provocação, instinto de um pobre coração pulsante, a espera de algo a mais, que suas pernas fiquem bambas e suas mãos, tremulas.

Do sol que cortava sua pele, ao entrar pela janela, cedendo uma pitada poética ao seu quarto, levemente desorganizado, mas ainda assim confortável, como seu coração... Revirado, mas a espera de confortar um novo amor.

Musicas incessantes, que insistem em lhe ensinar que lá fora e em cada esquina existe vida, vendida em pequenas bancas, estendidas em cordas, como ofertas de jornais. Basta ter coragem suficiente de pagar o seu preço, um pouco de sorrisos, algumas lagrimas, em algum momento amores e corações partidos.



E dentro de si, bate de forma violenta a duvida:

E depois? O que será de mim?

O que resta depois do prazer, do sexo e da dor?

E seu silencio de forma simples e caótica responde:

Será o que tiver der ser e se assim tiver o direito de viver.



O mundo conspira contra você, que se quer abriu a porta do quarto. Respirou ar novo, soltou o velho por entre as lembranças, buscou novas palavras... Esperança vendida em pequenos frascos, leves e rasos, oriundos de alguma parte do velho mundo.

A insanidade do relógio insiste no passar das horas, o tempo para algumas memórias soa como castigo e você prefere trancar em algum canto escuro da história. Seus pés tocam o chão, puxando o peso do seu corpo para a realidade confusa, que brinca com sua vida sem parar.

Você deseja tornar a deitar, viver sem o gosto da boca seca, sem precisar cobiçar, mas a vida que bate em sua porta, insiste, persiste em lhe chamar, tentando lhe iludir de que seus olhos irão se encantar, quando novamente e mesmo perdida, você tornar a amar.

Pablo Danielli


quarta-feira, 11 de junho de 2014

Compreender

“Não tenho pressa em encontrar a palavra certa ou a frase que cause impacto, no final tudo se resume ao sentimento de quem á escreve e de quem a lê.”

Pablo Danielli

Toxina

"Alguns desejos são impossíveis de sentir apenas pelas palavras. É necessário se permitir viver, desejar e sofrer. Porque o que corre nas veias não pode ser apenas sangue, mas há de ser... Também amor".




As paredes ásperas transpiravam o desejo e se você por acaso, há dois dias passados me pergunta-se se era amor?

Eu lhe responderia sem pensar:

Hoje não, mas amanhã e se o corpo quiser... Poder ser!

Porque o tempo de ontem, não é o mesmo de hoje e amanhã certamente vai fazer sol.

(Mesmo que você insista em chorar).

Porque o corpo não escolhe quando quer sentir, é como uma toxina e você não percebe que corre nas veias. E quando as pernas tremem, você sente o efeito e cai... Porque o amor antes de voar, te derruba!

Mesmo que o silencio dos teus olhos insistam em me falar que não dói e que tua dor é apenas prazer. Insiste que tocar tua pele e sentir teu suor é lavar a boca com um pedaço do paraíso. 

Teu gemido é como musica que corta a solidão, à noite e o medo. Que quando chega, vai embora com todo pudor e direito de perdão. E com todos os nãos possíveis, a noite traz o dia. Mostrando seu desprezo para com o prazer impossível de se viver em poucas horas.

As marcas não são apenas de arranhões e mordidas, são na alma... Que se fazem lembrar e relembrar, por incontáveis horas. Fantasiando em um mundo particular os significados das palavras sim, não e mais. Ditos em um momento de total incompreensão, compreendidos apenas pelo desejo.

Amantes desejam a carne, poetas as letras e palavras, pessoas cobiçam a rotina, mas eu... Espero apenas mais uma vez, sentir correr nas veias, em ritmo frenético esta toxina.



quinta-feira, 5 de junho de 2014

Liberdade



Com a liberdade vêm os desejos, as escolhas e amor. 

Ninguém ama se não é livre.

Ninguém perdoa, se não é livre do rancor.

Quando se é livre não tem importância alguma, cor, sexo ou religião. 

Liberdade é saber viver nos próprios limites e por vezes ousar excedê-los. 

É respeitar o espaço que existe em sua liberdade com a liberdade do próximo.

Ser livre é viver e saber viver!

É sentir a vida além das contas para pagar.

Liberdade é poder amar... A vida!




Pablo Danielli

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Merecedores



"Somos merecedores daquilo que recebemos a partir do mento que compreendemos sua utilidade. E desejo, muitas vezes não significa necessidade".




Pablo Danielli


terça-feira, 3 de junho de 2014

Palavras e homens








“A palavra é o homem, mas nem sempre o homem é a palavra”.



Pablo Danielli









https://www.facebook.com/pages/Pablo-Danielli/135413313230522

Pesquisar este blog