Translate

terça-feira, 29 de julho de 2014

A imbecilidade na forma politica.




Um discurso bonito, um terno bem cortado, lagrima nos olhos ao falar das pessoas e seu sofrimento... Este tipo de descrição certamente deve levar sua imaginação ao mundo dos políticos. A pergunta que ecoa pelo vazio da mente, certamente é: Se o discurso é bonito, porque as suas atitudes são baratas?

"A política é constituída por homens sem ideais e sem grandeza."
Camus, Albert

O que podemos perceber é que não existem mais ideologias partidárias, direita alia-se com esquerda, e moderados fazem o acordo que bem entendem, apenas para ter uma secretaria, uma porta de entrada no governo, partidos são criados apenas para arrecadar verba publica e tempo de televisão. São como carrapatos que se alimentam da maquina governamental.

Manchetes e mais noticias são apenas para delatar casos de corrupção, acordos feitos à surdina, para conseguir mais poder, mais influencia, a politica na sua essência é um jogo de influencia e poder, o dinheiro é visto como um bônus por aqueles que estão na roda.

Ser tratado como uma espécie de salvador, todas as glorias possíveis por jogar migalhas ao povo, estar acima do bem e do mau e ter o aval da justiça para isto. E nem ao menos podemos falar que há luz no fim do túnel, porque volta e meia corremos o risco do apagão.

O país se comparado a outras estruturas politicas, pode ser considerado ainda uma pequena criança, que começa a amadurecer, temos pouco mais de quinhentos anos e talvez por isso ainda cometemos erros primários.

O Brasil hoje vive uma politica de divisão entre classes sociais, é mais fácil falar que uma classe dominante oprime outra menos favorecida, do que o governo assumir sua culpa na falta de uma boa politica social e se engana quem pensa que politica social é tirar do rico para dar ao pobre.

Nos temos cotas, nos temos impostos, nos temos propagandas governamentais que incitam o ódio entre classes e nos temos ainda mais falho que tudo, os nossos políticos com seus narizes empinados pensando que toda critica é injusta e que toda oposição é burra.

"Em política, a comunhão de ódios é quase sempre a base das amizades."
Tocqueville , Charles

Estamos em uma espécie de lodo, aonde quanto mais tentamos se envolver ou se livrar, mais acabamos por nos sujar independente da intenção ou da ação proposta. Teorias e mais perguntas são formuladas tentando encontra uma explicação logica para esse fenômeno que se apodera das pessoas que entram no circo politico.

Somente os políticos seriam corruptos ou a população de forma geral vê na politica uma forma de se beneficiar e enriquecer de forma fácil e rápida? O terno e a gravata seriam apenas uma vestimenta que nos permite mostrar a verdadeira natureza com a certeza da impunidade, ou apenas nos obrigamos a entrar no jogo?

Será que de fato estamos preparados para lidar com o poder? A palavra politica vem de tempos antigo, mais precisamente do grego Politeía, que vem da arte de dominar a organização e administração de uma nação ou estado. Significa ainda, a sociedade e sua coletividade, engloba tudo referente ao individuo, no seu intimo e no seu coletivo.
“O homem é um animal politico”.
Aristóteles

Por mais que de forma geral, falemos que não gostamos ou não queremos envolvimento com as questões politicas do país, praticamos no nosso dia a dia este ato, a politica partidária é apenas uma das mais variadas forma de exercê-la.

            Que soluções seriam possíveis, que horizonte nos espera além de um próximo mandado de acordos e noticias de descaso, independente da bandeira partidária. A mudança acontece de forma lenta quase imperceptível, talvez em cem ou duzentos anos seja possível, uma organização confiável aos olhos do povo.

Acabar com a farra partidária, com as negociações e com o dinheiro que corre de forma descontrolada seria uma opção. Criar três grandes blocos políticos, esquerda, centro e direita, sem meio termo, já que os partidos hoje são feitos apenas para negociação.

Dividir o tempo de propaganda de forma igual entre os três blocos, assim evitando acordos por tempo de exibição. Limitar o teto de gastos da campanha, não é concebível que se gaste mais que trinta por cento do que o politico irá receber de salario. Certamente quando se extrapola esse limite, usara de favores ou outros meios para recupera o “investimento”.

Acabar coma imunidade parlamentar, roubo e desvio de verba, são crimes e devem ser punidos como tal. Acabar com a reeleição, mandato único de seis anos e fim do voto obrigatório, em uma democracia ser obrigado a fazer algo, é uma ditadura falsificada.

Muitas outras medidas seriam necessárias, mas com mudanças básicas grande parte da corrupção começaria ser evitada. É necessária uma mudança de comportamento da população em não apenas ver na politica uma forma de ganhar, mas sim, de agregar valor a comunidade, a sociedade de forma geral.

Politica não se trata de enriquecer, mas sim de dividir, valores morais, éticos e sociais. Uma sociedade só é justa quando todos têm os mesmos direitos e não apenas quando quem esta no poder tem o direito. Todos têm que aprender a viver a politica e sermos políticos, independente de partidos ou do interesse que isso possa desenvolver.





segunda-feira, 28 de julho de 2014

Eco

O eco...
Joga ao vento,
Palavras...
Em forma de sentimento,
Outras de lamento.

Pablo Danielli

quarta-feira, 23 de julho de 2014

PUTA VELHA

Essa crônica não tem qualquer compromisso com a realidade ou com algo moral.
Se você for dessas pessoas moralistas ou que não se permite uma leitura despretensiosa, faça um favor a si mesmo e não leia. Se a caso ler, se deleite.
É uma serie de crônicas que relata a vida de um personagem fictício, Chamado de “A rotina de Paulo”.

1 - Puta velha.
Era tarde e fazia um calor infernal, bem como se diz por estes lados do mundo, o suor fazia colar a roupa no corpo e o cheiro do cigarro não saia de jeito nenhum dos dedos. Certos dias são assim mesmo, sem graça, sem cachaça e sem foda, chato pra cacete.
Quebrei a única tv que tinha porque só passava merda, tolice popular, dava até nojo só de olhar. O que restou foi um ou outro disco que merecia ser ouvido, porque na radio hoje em dia só tem porcaria, puta sacanagem e uma puta monotonia.
É difícil curar o mau humor e se o dia está uma merda, meu amigo, não tem conselho que vá ajudar! Esse é daqueles dias que a gente fica meio assim, que nem “puta velha”, meio perdido, num canto e sem vontade de “dar”.
Fico pensando comigo mesmo, nos dias de hoje, Sócrates provavelmente passaria no puteiro, para dar uma aliviada sabe, caras como ele, em dias como o de hoje, certamente ficariam loucos com tanta babaquice no ar.
Levanto da cama e ouço a vadia da vizinha gritar que está tudo ruim, mas lá no fundo eu sei que ela só quer “dar”! Hoje em dia é assim, madame tem “piti” por que não consegue uma boa foda.
Deve ser culpa dessa globalização, do ser tudo igual e natural, falam por ai que até homem falta, deve ser, deve ser.
Abro a porcaria da minha geladeira e só tem um litro de cachaça e se é o que tem é o que eu bebo, não posso me culpar e nem o sistema, se tudo está uma bosta, a culpa é do meu corpo que não quer mudar.
Volto a pensar na “puta velha” e solto alguns risos comigo mesmo, pensando: Poderia ser pior! E penso sacanagem falarem que as pobres coitadas conceberam os alguns nojentos políticos.
Se for, deve ter sido a pior trepada da vida delas e grito para mim mesmo: Que miséria sem fim! Não tem noite mais longa que uma cabeça que não consegue dormir, tento até fingir, fecho os olhos e finjo um ronco, mas não é engano minha cabeça e o porre começa a fazer efeito, raposa velha é assim, tarda mas não falha.
Começo a contar nos dedos, sem mulher, sem sono e sem dinheiro, vida ordinária e sorrio meio de canto como quem diz, poderia ser pior, poderia ser um politico filho de uma “puta velha”.

Pablo Danielli

https://www.facebook.com/pages/Pablo-Danielli/135413313230522?ref_type=bookmark

Elementos



As bombas
Podem derrubar muros,
Tiros podem ceifar vidas...
Mas a fé!
Não importa o quanto ataquem o corpo,
Estará sempre segura, com a alma.
Vilas e cidades?
Caem e se erguem,
Com o passar dos tempos.
Mas as manchas de sangue...
Já estão para sempre na história.
Haverá dias de lagrimas,
Momentos de desespero,
Mas para um povo que sempre acredita...
Esperança, crença e vida,
São elementos que nunca se tiram.
Pedaços de papel, leis impostas, tirania disfarçada,
Não definem uma nação...
Que tem algo á mais, para sentir no coração.


Pablo Danielli

terça-feira, 22 de julho de 2014

Cinco poemas

Cinco Poemas


Fiz cinco poemas para você
E todos falavam de amor,
Com direito a frases prontas e criações próprias,
Cada poema representava uma fase de nossas vidas
Cada fase um sorriso, um lagrima e uma linha.

Explicando porque nosso dia a dia
Não era monotonia, era uma aventura,
Louca e divertida, que somente a gente entendia.
E ninguém mais sabia e nem imaginava,
Os dias que agente passava.

Fiz este poema, usando todas as letras,
Tive que buscar inspiração nas estrelas,
Para escrevê-lo e lê-lo para minha princesa.
Encanta-la e fazer dela rainha e bela,
Com as flores que só nascem na primavera.

Fiz estes cinco poemas, pensando em ler,
Para todo mundo ver e saber, que meu amor por você,
É muito mais que um bem querer,
É para sempre amarrado e gravado,
Em nossos corpos marcados.

Nas folhas deste livro estarão
Guardados além de nossos corações,
Cinco poemas de amor,
Que soaram com quatro canções,
E uma oração de amor.

Pablo Danielli

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Perto do mar

Experimento na área musical....

Perto do mar


Como um velho marinheiro
Dono do próprio coração,
Navegando o mar das incertezas
Águas brabas de uma paixão.

Enfrentando a natureza
Dia e noite sem dormir,
Seguindo as estrelas
Pra saber aonde ir.

Ref.
E assim, perto do mar, eu vou estar...
Há lhe esperar, pra navegar, pra te amar.
A maré enfrentar, no teu olhar, no teu olhar,
Eu vou estar, eu vou estar...

Seguindo a correnteza,
As ondas que quebram
Machucam o coração,
E me enchem de emoção.

Enfrentando a natureza
Dia e noite sem dormir,
Seguindo as estrelas...
Para saber aonde ir.


Ref.
E assim, perto do mar, eu vou estar...
Há lhe esperar, pra navegar, pra te amar.
A maré enfrentar, no teu olhar, no teu olhar,
Eu vou estar, eu vou estar...


Selvagem




O Cheiro selvagem,
Aflora, aguça os sentidos, 
Fazendo arrepiar os pelos. 
Nua, crua, sentida como o nascer do sol, 
Um coração partido... 
Viril, másculo, sente o teu suor e cheiro. 
Ergue tua voz, ecoa teu grito de prazer. 
Sente as curvas dadas pela vida, 
Aproxima teu paraíso da mortalidade. 
E nesta mistura torna-se história, 
Lenda, imortal e sedutora. 

Pablo Danielli

quinta-feira, 17 de julho de 2014

segunda-feira, 14 de julho de 2014

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Abraços apertados

É só um abraço apertado
Sem saber se é despedida,
Ao sair, não sabe se volta...
Ou se perde a vida!
Olhos marejados,
Não desarmam minas.
Pedidos de perdão,
Não calam uma multidão.
Não há bomba,
Que destrua mais que o silencio,
Não há silencio que mate mais...
Se não o que vem da mídia (politica).
Entre tantos corpos,
Somos todos vitimas!
Entre tantas lagrimas,
Meu corpo ainda sangra...
Com a ultima noticia.
Hoje um desconhecido,
Amanha quem sabe?
Família.


Pablo Danielli

Encontros e desencontros



No que diz respeito à felicidade, o homem só irá encontrar naquilo que possui e não no que deseja ter. Quanto ao amor, somente quando compreender que ele brota dentro de si e não de outras pessoas. E que não encontrará a paz, enquanto não entender que palavras destroem tanto quanto bombas e tiros.


Pablo Danielli

quarta-feira, 9 de julho de 2014

O mito destruído

O mito destruído      
 
"Mitos são criados e destruídos diariamente.
 Seja no futebol ou na vida, vivemos de heróis e vilões...
Um dia, somos aplausos e em alguns outro somos vaias, as cicatrizes servem para lembrar e tentar não cometer os mesmo erros, quem sabe com este, coisas boas estejam por vir".



Tragédias geralmente não são bem vistas por quem vivem o momento, embora muito tempo depois, seja analisada como essencial para mudança e crescimento de um determinado meio.
Estamos acostumados à violência, a falta de estrutura das escolas, estradas e hospitais. Estamos mais do que coniventes com a corrupção dos políticos brasileiros, mas no futebol se via uma ponta de esperança para sorrir.
Mas assim como tudo mais, que nos é tirado diariamente, o futebol nos foi arrancado em uma tarde qualquer, teorias e mais teorias serão colocadas na mesa, como forma de explicar o logico, o que todos sabíamos, mas não queiramos imaginar que pudesse acontecer, a malandragem finalmente cedeu para o profissionalismo.
Os alemães tiveram seu tempo de miséria no futebol e aprenderam com ele, se planejaram e aceitaram não serem os melhores do mundo. Este é o momento do país verde e amarelo fazer o mesmo.
Vivíamos um mito que nos blindava de tudo que era ruim ou errado por que éramos o país da alegria e do futebol, pois em noventa minutos esse mito foi dilacerado pela organização e aplicação de um povo que não é superior e nem melhor que o brasileiro, mas que tem dedicação e seriedade naquilo que faz.
Deixamos de lado nossos problemas, o governo usava a imagem da copa para tentar alavancar sua popularidade e tudo acabou como começou, em desilusão. A vida continua, pois os jogadores com seus salários milionários continuaram a jogar em seus clubes e não são culpados por isso que fique claro, culpamos somos nós por deixarmos nos iludir com um esporte.
As filas não irão diminuir, as mortes e assaltos irão continuar, a corrupção continuará, pois daqui alguns meses a eleição bate a porta e no único processo que se diz democrático, somos obrigados a votar e escolher o que consideramos o menos “pior” para o país.
Este é o momento para enterrarmos o “jeitinho” brasileiro juntamente com a malandragem do futebol. Começarmos um novo ciclo, com uma nova forma de pensar, aprender com os erros e ver nos acertos dos adversários uma oportunidade, de mudar o futebol, a politica e o país.
O legado da copa, foi à destruição de um mito e uma oportunidade de reconstrução de um país, depende apenas da vontade das pessoas em querer mudar.

Pablo Danielli

https://www.facebook.com/pages/Pablo-Danielli/135413313230522?ref_type=bookmark




terça-feira, 8 de julho de 2014

Forjar







"Um homem forjado no fogo, não é capaz de sentir a água".






Pablo Danielli 






segunda-feira, 7 de julho de 2014

Terra, santa?

Terra, santa?

Como uma melodia silenciosa
Explode o desespero...
Daqueles que não tem paz.
A inquietação
Dos corpos estendidos,
Em valas, pensando ser passado.
Mas ao acordar...
Lembra-se, que é tudo atual.
Rompendo a pureza da terra
O sangue sujo pela cobiça,
Veda os olhos,
De quem tem sede...
Verdadeiros animais!
O sorriso se esconde
Por entre nuvens,
De um sol, que já não é capaz...
De alegrar, fazer brotar, iluminar.
O medo rasga a carne,
Mas, não atinge o coração!
Porque as lagrimas, que a noite surgem do desespero,
Ao nascer o dia, forjam as paredes da alma,
Com esperança.
E em meio aos escombros
Ao ver a figura de uma criança,
É possível crer em algo mais...
Talvez, quando já não houver corpos,
Para serem dilacerados,
Teremos, esperança e paz.


quarta-feira, 2 de julho de 2014

Sete heresias

Sete corações
Cantam uma canção,
Um dia sobre o amor...
E outra sobre perdão.
Um servia de guardião
Os outros seis,
Para sentir emoção.
Um coração para cada pecado
Um pecado para cada dia,
Por meio de fantasias,
Iam fazendo a vida.
Sete corações
Que escondem um segredo,
Um guarda a chave,
E os outros serviam de espelho.
Sussurram por vinte e oito paredes,
Os segredos escondidos da mente...
Condenado pelo corpo
Por heresia...
Queimavam amor,
Enquanto podiam.
Sete corações
Que estavam a sete palmos,
Mudos, os tolos cantavam...
Mas com sentimentos eternos
Que nunca calaram.


Pablo Danielli

Pesquisar este blog