Translate

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Flor de primavera

O doce de tão doce, amargo se tornou.
A chuva fria, fina, lava a alma,
os olhares não negam,
o fim se aproxima, a flor da primavera morre.
O toque no vazio, o corpo presente o pensamento ausente,
o sol não ilumina a lua não brilha,
o beijo não mais me alucina.
Sem norte, sem rumo, sem pudor,
assim fica um homem sem amor,
Sem teu amor.
Pablo Danielli

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog