sexta-feira, 22 de julho de 2016



[5.]

Homem,
Cuja alma podre...
Exala odio e certezas.
Ser, cujas palavras,
São apenas sujeiras.
Reflexo do que os olhos,
Incapazes enxergam.
Toma como certo a morte!
E apodrece no teu intimo...
Enquanto a noite passa,
Querendo se esconder do dia.


Pablo Danielli

Nenhum comentário:

Postar um comentário

[Á deriva] Do teu silêncio, Fez-se a tempestade. Teu choro, um oceano. E teu pesar... Uma ancora. Quem ousaria navegar, Em...