terça-feira, 7 de novembro de 2017

[Tudo é silêncio]

Tudo é silêncio
Vento, boca, palavra,
Na noite, que não se vê.
Nos olhos que não piscam
No corpo que deseja,
Que caído, dorme...
Mas não descansa.
Tudo é silêncio
Os segundos, o tempo, o vazio...
Que toma a casa de assalto.
As promessas,
Que calam...
As promessas,
Que calam...
Mas ecoam,
Entre paredes frias,
Sem vida...
Sem movimento aparente.
Porque tudo é silêncio!
Rasgando as certezas
Purificando as dúvidas,
Nas sobras da noite...
Nas sombras que a noite se esconde.
Pudor, desejo, sexo.
Silêncios abstratos
Gravados em pedaços da memória.
Sobras, restos de histórias,
Que calam na madrugada,
Subjugados, despedaçados,
Enlatados em forma de nó...
Na garganta.
Ausências, esperanças, que se perdem.
Porque tudo é silêncio
Mesmo com corpos entrelaçados,
A deriva, na noite...
Fragmentada.



 Pablo Danielli

“A cadela do fascismo está sempre no cio”. Mas é a cadela do comunismo que está sempre prenha! E volta e meia deixa filhotes em forma de ...